Revertendo Falência Ovariana com dieta

15/02/2017

Com essa moda que virou retirar glúten e leite, sem motivo algum, fiquei um pouco resistente em fazer um post sobre esse assunto, pois sabia que algumas pessoas de mentalidade pequena, viriam defender o glúten e o leite com unhas e dentes.

Porém, meu objetivo aqui não é fazer com que as pessoas saiam tirando o glúten e o leite da dieta por achar que todos os problemas da sua vida estão relacionados ao consumo deles. Mas sim, para mostrar que NÃO SÃO APENAS PACIENTES CELÍACOS OU ALÉRGICOS À PROTEÍNA DO LEITE que podem sofrer graves consequências com o consumo desses alimentos.

NÃO, eu não saio tirando glúten e leite de todos os pacientes, somente porque fiz Nutrição funcional. Mas a funcional me deu ferramentas para saber avaliar quando o paciente tem ou não intolerância à alguns alimentos e através da dieta de exclusão eu consigo avaliar o que está ou não causando os sintomas naquele paciente.

Eu tive uma experiência com uma paciente, muito parecida com esse estudo de caso. Infelizmente, não conseguimos reverter a falência ovariana, mas a paciente voltou a menstruar após retirada do glúten e do leite e seus níveis de FSH cairam muito. Após reintroduzir o glúten, seus níveis voltaram a aumentar.

Foi aí que detectamos que o glúten para aquela paciente não fazia bem, apesar de não apresentar nenhum indicativo de alérgia ao glúten por exames de sangue. Como verão nas fotos seguintes.

A paciente iniciou acompanhamento nutricional comigo no dia 25/02/2014.

A primeiro foto mostra que o exame foi feito no dia 31/05/2011, onde os níveis de FSH estavam em 99,56 mIU/mL, níveis considerados para mulheres na pós menopausa. Durante esses exames a paciente estava fazendo reposição hormonal para indução da menstrução.

A segunda foto foi após quase 2 meses de dieta sem glúten e sem leite, mostrando uma leve diminuição do FSH para 75,61 mIU/mL.

A terceira foto foi após quase 1 ano de acompanhamento, onde a paciente alcançou menores níveis de FSH sem utilização de hormônio ou medicamento, apenas com dieta, chegando à um FSH de 41,30 mIU/mL.

Como a paciente estava muito tempo já com uma dieta sem glúten e sem leite, resolvemos reintroduzir primeiro o glúten. E a quarta foto mostra um aumento do FSH (52,09 mIU/mL) 3 meses após reintrodução do glúten.



Nesse artigo, a paciente faz uma dieta de exclusão, retirando os alimentos mais "inflamatórios" ou "ácidos" da dieta, conseguindo reverter a falência ovariana. O estudo concluiu como hipótese, que a restauranção dos níveis de FSH foram normalizados pela diminuição do quadro inflamatório.


Na funcional utilizamos muito essa tabela, onde os alimentos ácidos são considerados inflamatórios, portanto, deve ser consumido com moderação e os alimentos alcalinos, são considerados antiinflamatórios, sendo priorizados no plano alimentar para que o total da dieta tenha um perfil mais antiinflamatório.

O que eu quero deixar como mensagem, é que aquelas pessoas com infertilidade ou falência ovariana, que busquem um profissional capacitado, pois quem sabe através de uma mudança alimentar seu quadro possa ser revertido. 

Fonte: Reversal of premature ovarian failure in a patient with Sjögren syndrome using an elimination diet protocol.

Por Daiana Maeda.