Leite: tomar ou não? A lactose é o maior problema do leite?

05/10/2016

Tenho percebido que o crescente mercado de produtos sem lactose tem confundido a cabeça das pessoas em relação ao leite. Por isso hoje vim esclarecer alguns pontos!

O leite sempre foi considerado um alimento saudável por ser a principal fonte de cálcio da dieta e por conter boas quantidades de proteína. 

Porém, com o passar do tempo, o leite tem tido sua composição cada vez mais alterada. Podemos ter certeza absoluta de que o leite que nossos avós/ bisavós consumiam, é muito diferente do leite que vemos hoje nas prateleiras dos supermercados. Esse assunto é extremamente extenso, mas agora vou listar apenas alguns fatos que nos farão repensar o leite que estamos consumindo.

A vaca

O maior problema do leite atualmente é a vaca. Antigamente, as vacas tinham seus bezerros, os alimentavam e pastavam, ou seja, tinham qualidade de vida. Hoje, as vacas são animais estressados e doentes, que recebem constantemente antibióticos para tratamento das mastites e outras afecções que ocorrem frequentemente durante o período de retirada do leite. Além disso, são alimentadas com ração e pasto contaminados por agrotóxicos. Todas essas substâncias tóxicas chegam a nós através do leite, nos tornando mais suscetíveis a sensibilidades e alergias.

O processo industrial

Os leites de caixinha que encontramos na prateleira tem sua composição tão alterada, que costumo dizer aos meus pacientes que aquilo pode ser chamado de qualquer coisa, menos de leite. E por que? O sistema UHT (ultra high temperature), expõe o alimento à alta temperatura por curto período de tempo, resfriando-o em seguida. Nesse processo perdem-se grande parte das vitaminas hidrossolúveis e também das enzimas do leite, que poderiam auxiliar no nosso processo digestivo, tornando o leite um alimento ainda mais alergênico.

Leite sem lactose?

Com todos esses problemas expostos, você ainda diria que o único problema do leite é a lactose???

A lactose nada mais é que o açúcar do leite. Pessoas que possuem deficiência de lactase, enzima que digere esse açúcar, são orientadas a retirar este alimento da dieta.

E quem pensou que os alimentos sem lactose seriam a solução, se enganou!

Como se não bastasse passar por todos os processos industriais descritos acima, o leite sem lactose ainda passa por mais processos químicos para a retirada desse elemento. Esses processos tornam esse leite mais ácido e com maior quantidade de sódio. A ingestão desses produtos tornam nosso pH sanguíneo mais ácido e, na tentativa de equilibrar essa acidez, nosso organismo retira cálcio do osso. Se isso ocorrer com frequência, são grandes as chances de desenvolvimento de osteoporose.

Ou seja, quem busca uma alimentação mais saudável e natural, deve ficar longe deste tipo de alimento, altamente industrializado.


Algumas opções

Em São Paulo já é possível encontrar leites orgânicos e biodinâmicos. Esses leites são livres de agrotóxicos, antibióticos e micotoxinas e têm uma produção sustentável. Mas atenção, não devem ser consumidos por intolerantes à lactose e pessoas com alergia à proteína do leite.

Outra opção, mas não a ideal, é o consumo de leites frescos, aqueles encontrados nas geladeiras de padarias e supermercados. Eles não são livres de agrotóxicos, antibióticos e micotoxinas, mas não passam pelo processo industrial UHT, tendo sua composição nutricional preservada.

Atenção

Hoje sabemos que o cálcio encontrado no leite da vaca não é bem aproveitado pelo organismo humano e que as necessidades desse mineral podem ser atingidas através da ingestão de vegetais em uma dieta balanceada.

Por Jacqueline Zangrossi - Nutricionista Funcional